30 de agosto de 2014

Sobre as férias - Peneda

Nada como um bom dia passado na Peneda. Tínhamos o objectivo de chegar ao castelo de Castro Laboreiro e lá fomos...
A Peneda, que faz parte do Parque Nacional Peneda-Gerês, tem imensas paisagens lindas e dignas de ser vistas. Muitos cavalos selvagens existem no parque e nós desejosos por os ver. O primeiro que vimos não se devia encontrar bem de saúde, felizmente, estava a beber água, sabia onde a encontrar. Não nos deixou indiferentes, ficámos preocupados com o pobre bicho.

 
Para um pique-nique, a fome apertava, parámos perto de uma casa abrigo - Casa Retiro de Murço - que nos deixou muito tristes com o seu estado avançado de degradação. Como o Parque deixa chegar uma das suas casas a este estado?!?


 
Bem, era tempo não só de comer, mas também de esticar as pernas, e há quem o faça jogando à bola.



Do outro lado da estrada 4 garranos estavam abrigados num pequeno abrigo, mas depois sairam, talvez para nos cumprimentar. O Mini adorou ver cavalos.







Seguimos viagem, acompanhados pelas belas paisagens e vendo cavalos e vacas aqui e ali.





 
Embora a serra seja mais fresca, a vontade de experimentar colocar os pés na água era grande e, pai e filhos lá foram tentar a sorte, enquanto eu, no meio da serra, numa aldeia que de repente pelas vozes julgo estar em França, apanho algumas amoras aos príncipes.


 
Ainda não foi desta que molharam os pés! Próxima paragem: que água tão límpida e fresca, mas muitos calhaus e só o Tiago pôs os pés realmente na água, os outros se puseram desistiram logo. Mas não foi uma paragem em vão. Vimos um lagarto-de-água, uma pequena rã e uma enorme lesma (ou que seria?).
 





 
Viagem a decorrer com paragem na Senhora de Peneda e depois lá vamos nós - castelo...



Mas (há sempre um "mas"), o Mini começa num berreiro que não houve alternativa senão parar. 
Castro Laboreiro. Objectivo: subida ao castelo. Juro que quando vi que ia subir tanto pensei em desistir, mas pronto lá fomos... melhor, lá fui com os outros... A subida sul até não é difícil, mas quando faltavam 300 metros comecei a sentir-me um pouco mal.






 


Faltavam 100 metros para terminar e a mim faltava-me: força, ar, visão... Bem, tive que me deitar em cima de uma pedra, estava quase, quase a desmaiar. De repente descobri que a Terra anda mesmo à roda ou seria eu?!???
Recomposta, vamos lá explorar o castelo...









 
Se o castelo vale a subida? NÃO. Mas agora já posso dizer que já lá fui... Se alguma vez voltarei? NUNCA MAIS...
 
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário