19 de junho de 2014

Susto... mas que susto

40 anos: anos e anos a andar no meio da natureza e nunca vi uma cobra viva (tirando no jardim zoológico, está claro). Anos a acompanhar o meu pai na agricultura, metade da minha vida. 13 anos a passear os cães pelo pinhal, e nunca vi uma única cobra viva, em plena natureza.
Mas, nunca se diga nunca... Ontem foi o dia!
Fomos passear o cão, eu, o Afonso e o meu marido, e eis que, olho para uma saliência no solo e lá estava ela, escurinha, quase enrolada. Bem, dei um grito: "Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, uma cobra!". Atirei-me para trás, para cima do meu marido, e a bicha fugiu, metendo-se logo para o meio da vegetação.
O meu marido ficou chateado, porque o Afonso tinha passado, mais o Spike pela cobra (não a viram) e ela não fugiu. Mas com o meu berro, fugiu logo, fazendo com que ele não a visse.
Em vez de ficar preocupado com o susto que apanhei (garanto que foi grande. MUITO GRANDE), ficou chateado em que tenha gritado e assustado a cobra. Sim, ele queria vê-la! Pois eu tinha dispensado.
Voltámos lá mais tarde, a ver se a víamos de novo, mas nada. A bicharoca acho, que depois do susto que também ela apanhou, nunca mais se quer cruzar comigo.
Pensar eu que já andei pelo meio da vegetação, várias vezes no pinhal, e de chinelo de enfiar no dedo... Enquanto me lembrar, nunca mais!!!
 

Sem comentários:

Enviar um comentário