4 de abril de 2018

3 de abril de 2018

Os meus bebés...

Como eles são:

Como eu vejo os meus bebés:


Mãe, vê sempre os filhos pequenos. E,  às vezes são necessárias as fotografias para vermos a realidade!

2 de abril de 2018

Eles cresceram...


Quando no fim-de-semana olhei para esta fotografia pensei: "Eles cresceram! Como?"
Acho que não dei conta do crescimento. Como foi rápido! Rápido demais... O que lhes aconteceu? Ainda à pouco tempo tiraram esta fotografia...


Páscoa na neve #3


Como já deu para perceber, fomos passar a Páscoa à neve. 
À muitos anos que não ia à Serra da Estrela e nunca lá tinha ido com neve e, os príncipes não conheciam. Por isso, tudo planeado, na Páscoa lá fomos.


Embora os príncipes mais novos não tenham apreciado muito o frio, os príncipes mais velhos adoraram a neve. Posso dizer que à muito que não fazíamos uma viagem sem queixumes. Desta vez correu tudo sem uma crítica, por parte dos mais velhos.

Os príncipes mais velhos aproveitaram a serra com neve ao máximo. Atiraram bolas de neve uns aos outros (pobre pai!!!), desceram ladeiras com a prancha, passearam. Tudo com muita calma, sem ouvirmos o típico "já estou farto!", "quando vamos embora'". Já não me lembrava deles assim!!











Foi só um toque!

Qual a probabilidade de bater num carro na fila do MacDrive?

GRANDE.

Mas quando é para bater, o meu marido sabe escolher bem os carros: bateu num Porche.

Mini conversa

Ligo para casa a meio da tarde (sim, hoje trabalhei!).

Falo com o meu marido.

O Mini quer falar com a mãe.

Quer saber quando volto para casa. Pergunta se ainda volto de dia.

Questiono:

" - Tens saudades da mãe?"
" - Sim."

" - Estás farto de aturar o pai?"
" - Simmm."


Páscoa na neve #2

Parece que a neve é fria. Quem diria!?
A partir do momento que passámos a ver neve, na subida da montanha, o Afonso não parou quieto, nem calado. 

" - PÁRA, PAI."
" - PÁRA!"
" - Que raio de pais, que não me deixam ir divertir para a neve..."

Isto, na subida da montanha, onde não havia mais espaço que o espaço de 2 carros, um no sentido para cima, outro para baixo. 
Quando vimos o primeiro lugar disponível, estacionámos.
O Afonso estava eufórico. Calçar as galochas foi uma aventura, pois ele não queria perder um minuto!

Atirou-se para a neve, mas aquilo é gelado (sim, o Mini teve o mesmo problema!!!) 5 minutos foi o tempo suficiente para detestar a neve. Voltou para o carro. Ele o Mini no carro, quentes, a verem os outros...
Os príncipes mais velhos, esses sim, divertiram-se ao máximo. O Afonso, por ver os irmãos a divertirem-se tanto, quis arriscar de novo.
Mesmo cheio de frio brincou imenso na neve. Caiu em buracos e riu-se. Deslizou encostas. Brincou com bonecos de neve. No fim adorou a neve, mesmo que esta seja gelada!

 



Se vamos à neve?!


Se vamos à neve temos que nos preparar. Nós não somos diferentes.
Fomos à loja de desporto ver o que faria falta.
Comprei um casaquinho mesmo quentinho para a neve.
A caminho da serra, quase no Porto, o meu marido pergunta onde pus o casaco? Que raio de pergunta!!!???... Pois... o casaco ficou em casa...
Foi uma compra útil!!!

Páscoa na neve #1

Demos um saltinho à Serra da Estrela, na Páscoa. Os príncipes loucos por verem neve. Queriam pisá-la, mexer-lhe.

O Mini estava louco. Quando parámos quis logo pisar a neve. Mas... parece que a neve é gelada!!


Alguns minutos depois estava dentro do carro, sem botas, quentinho, a comer. Comeu, comeu, comeu... Não se queixou de estar dentro do carro.
Mais tarde quis voltar a arriscar! Talvez aquilo do frio já tenha passado! Mas, parece que é mesmo gelada a neve...


1 minuto depois dentro do carro de novo. Dormiu, dormiu, dormiu, dormiu...


Há pessoas que adoram mesmo a neve!!!

Cão preguiçoso

Ali para os lados da Serra da Estrela, perto de Seia, descobrimos este canito.


Os carros iam parando e seguindo viagem e ele impávido e sereno, na sua sesta, no seu descanso. Quando estávamos quase, quase a partir, decidiu mudar de lugar e ficar perto do nosso carro.
O Afonso, aquele coração doce, pensou que ele estava abandonado. Expliquei que não. Mas ele não ficou convencido. Achou que o cão tinha fome. Após muita insistência, cedi em lhe dar uma sandes. 
O cão já se tinha deitado, todo esticado, ao lado do nosso carro.
Não conhecendo o animal, coloquei a sandes próxima das suas patas dianteiras. Ele não se levantou, arrastou-se um pouco, até chegar com a ponta do focinho à sandes. Comeu-a, deitado, sem grande esforço, nem intenções de se mexer muito...

30 de março de 2018

29 de março de 2018

Ai, a minha paciência!

A minha paciência está em baixo.

Não tenho paciência para cusquices...
Não tenho paciência para mal-dizentes (isto existe?)...
Não tenho paciência para favorzinhos...
Não tenho paciência para desgraças alheias...
Não tenho paciência para explicações desnecessárias...
Não tenho paciência.

Atingiu o nível zero!

Paciência, onde foste???

Páscoa

Para mim a Páscoa mais não é que um fim-de-semana mais longo. As tradições pascais do norte nunca as consegui assimilar, nem fazer delas também minhas tradições. 
Em pequena (muito pequena) ainda se abria a porta ao padre, mas depois o padre deixou de passar ao domingo e tudo terminou...
A Páscoa passou a ser sinónimo de praia. Se o tempo assim o permitisse, o dia de Páscoa era o primeiro dia de praia do ano.
Na Sexta-feira Santa já se ia à praia, mas com o objetivo de apanhar marisco, consoante a maré o permitisse. 
Foi numa Sexta-Feira Santa que apanhámos uma intoxicação alimentar. O mexilhão, apanhado com muito cuidado (só o que estava dentro de água), que nos pôs todos doentes. Abandonámos esta tradição. De qualquer forma nunca me esqueci daquele dia maravilhoso na praia, na praia do Vale Furado.


É nesta altura do ano que começo a ter necessidade de ver o mar...

28 de março de 2018

Anita e os números

De vez em quando lá vou ver de onde são as pessoas que me visitam. 
Hoje, descobri que me visitam no Peru.


Obrigada a todos que me visitam e desde já uma Boa Páscoa.

Fico furibunda

Sabem aquelas pessoas que mal chegam ao pé de vós, vos olham de alto a baixo? (e, não conseguem evitar?)



ODEIO!

Exposição Ovos de Páscoa


Tinha prometido ao Mini ir ao centro da vila ver o ovo que fizeram no ATL (no seu ATL), antes que chovesse (só podia ser mesmo ontem!). No domingo, quando passámos por lá não estava.


Ontem, depois de o ir buscar parámos no centro.
Ficou super contente de mostrar o ovo deles. Está muito giro. Lembram-se das rosetas de croché? Pois mais uma utilização para as mesmas. Uma ideia que ficou muito engraçada. 


Aproveitámos para ver alguns ovos que foram colocados na exposição entretanto. 




27 de março de 2018

Nova paixão

Vi-as.
Vi-as no dia dos meus anos.
Não quis comprar uma...
Agora não penso noutra coisa...



Não são lindas???? ❤❤❤❤

Há dias complicaditos #2

Mas quando se pensa que o dia de ontem não teve mais surpresas...
DESENGANEM-SE!

Depois da ida ao veterinário, foi a vez de uma visita ao hospital.

O Mini andava a fazer muito xixi. Sempre na casa-de-banho, pensávamos ser uma infeção urinária, mas é uma inflamação na pilinha (menos mal!).

Mas quando os miúdos no hospital têm que fazer xixi para um copinho, o que eles fazem?!? NADA. Deixaram de ter xixi. O Mini não foi diferente... Ainda nos tentou dar a volta, quando o pai lhe disse que era só ir ao wc e encher. Ele achou que era com água da torneira! Mas começou a ficar aflito e lá teve que ir ao wc... assunto resolvido. 

Há dias complicaditos


Ontem, enquanto escrevia aqui sobre o Spike, pensava que ele já está velhote e qualquer dia fica muito doente. Pois, ontem quando cheguei a casa só me apetecia chorar (não chorei por causa dos meus filhos). Ele quase não se levantava!!!
Fui logo ao veterinário com ele e afinal é um vírus, que com a medicação se resolve. Nada de fígados, nem de ossos, nem de outros problemas bem piores.
Com 12 anos é o cão mais querido e paciente do mundo.
Todos os procedimentos efetuados pela veterinária, desde retirar sangue, urina, dar injeções, tudo, nem uma rosnadela o Spike deu. Suportou tudo com calma, apenas com muitos tremeliques. 

26 de março de 2018

Passeio Diário do Spike #28#


Sempre com olhar fofo, o Spike tem um ar super querido. Dá vontade de abraçar, não dá? Mas, não há uma boa poça que não passe bem pelo meio. 
O passeio do Spike é sempre um momento de pausa na loucura do dia-a-dia.



Já é primavera, mas ainda está muito envergonhada.